Seguidores

30 de jul de 2010

Simone Saueressig fala para o "Leituras e Possibilidades"


a) O que tu mais gostas de ler hoje?
Atualmente tenho lido vários livros de aventura infanto-juvenil, como "Nick of Time" (que é excelente!). E atualmente estou lendo "No rastro do Jaguar" do Mauro Carvalho que foi, na minha opinião, o lançamento mais importante da Literatura Brasileira do ano passado.
b) O que significa escrever para ti? Como se dá o teu processo criativo?
Escrever é uma forma de viver aventuras e situações que nunca vivi. Também é uma forma de dizer coisas que eu considero importantes e que de outra maneira seriam ditas de uma forma mais séria e talvez bem menos atrativa. Isto é fundamental, ter algo para dizer. Não vale só escrever uma aventura emocionante, se a gente não tiver nenhuma idéia para defender. Quanto ao processo criativo... sei lá. Às vezes uma boa idéia surge durante um filme, ou um jogo de computador, ou mesmo lendo outros livros (quando a gente acha que o autor poderia ter desenvolvido uma vertente da história que ele deixou de lado). Em todo o caso, depois da boa ideia vem o trabalho de verdade, que é sentar e colocar ordem na ação e nos personagens. Este é o verdadeiro trabalho do escritor.
c) Tu querias ser uma escritora desde criança? como é que surgiu a vocação?
Pois é... não, eu não queria ser escritora. Eu não dava muita bola para isso. Queria ser arqueóloga, descobrir templos escondidos na mata, desenterrar pirâmides e viver muitas aventuras. Depois, eu quis ser bailarina. Escrever histórias apareceu depois: eu inventava histórias para minhas colegas e quando elas me pediam para recontá-las, não lembrava mais nem como começavam. Então comecei a registrar algumas idéias. Depois, com o passar dos anos das leituras, fui querendo escrever as histórias que já não contava, porque todo mundo tinha crescido e ido fazer coisas diferentes. Escrever passou a ser uma forma de alcançar "ouvintes" (que na verdade são leitores) que eu nem sequer imaginava que existiam.
d) Um escritor é responsável pela sua época? Deve registrá-la?
Acho que um escritor é um produto de sua época. Ele até pode se dedicar ao Romance Histórico, por exemplo, registrando a vida de pessoas que viveram em outras épocas, mas a época do próprio escritor estará presente em sua ótica, a maneira como vai abordar o texto, o vacabulário que vai usar, as ideias que estarão por trás de suas palavras. Registrar o cotidiano do próprio escritor é um objetivo muito pessoal. Nem todo mundo se dá bem com a dona Realidade.
e) O que tu gostavas de ler na infância?
Quando eu descobri a Literatura, imediatamente me apaixonei pela Fantasia. Li "O Leão, a Feiticeira e o Guarda-Roupas" e fiquei encantada. Outro período do qual me lembro bem, foi aquele em que li vários romances sobre aventuras nos mares do sul, como "A Ilha de Coral" e "A Laguna Azul", que depois virou filme e febre adolescente (dos outros, porque como eu já tinha lido o livro enquanto criança, todo aquele frison me pareceu bobo). Depois vieram os livros de Conan Doyle e seu imortal Sherlok Holmes, que mais tarde foi substituido por Maurice Leblanc e seu ladrão chique Arséne Lupin. Li Rudyard Kiplling com muita emoção ("Mowgli" foi o primeiro livro que tornei a ler imediatamente depois de fechar a última página, como se o livro não tivesse acabado). E finalmente apareceu a Ficção Científica, com os livros de Isaac Asimov, Arthur Clarke e Ray Bradbury, seguida de perto das histórias de terror de Alan Poe e Lovecraft. A Fantasia só voltou à minha vida no Segundo Grau, com "O Senhor dos Anéis" de Tolkien e os relatos aterrorizantes de Stephen King. De fato, nunca estive com meus pés de leitora muito no chão...
f) Em que sentido podemos dizer que Leitura é possibilidade?
A Literatura é a experiência virtual e artística mais completa que se pode ter. O Cinema te oferece imagem, cor, som e movimento. A Música te oferece som e impressão. A Pintura, impressão e imagem. A Escultura o tato a Poesia beleza. Mas a Literatura, através das palavras, é capaz de penetrar no pensamento dos personagens. Ela te obriga a participar do jogo criativo do escritor, mesmo que ele tenha morrido há séculos. Nenhum texto se revela se não for lido. Não é como uma pintura, que você pode ver apressadamente, ou uma música, que você ouve sem prestar muita atenção. A Literatura te exige tempo e entrega. E de volta, te oferece a possibilidade de mergulhar no coração das pessoas, dos heróis, das vítimas, dos vilões, dos medíocres, dos gênios. Ela expecula, pergunta, te obriga a dar uma resposta. Não é isso algo simplesmente sensacional?

Um comentário:

Anônimo disse...

Achei muito legal essa postagem e eu adoraria saber se você sabe mais sobre isso que escreveu,muito legal parabéns-------------------------------------------------------------------
Obrigado,Matheus Cª6