Seguidores

2 de out de 2010

Remís, professora de História, fala-nos sobre a obra Tristão e Isolda e propõe trabalho aos alunos das sextas séries


O clássico TRISTÃO  e  ISOLDA é motivo de encontro entre as disciplinas de História e Língua Portuguesa

TRISTÃO E ISOLDA

Embora muitos acreditem que a Idade Média tenha sido um período de “trevas”, o século XII existiu para desfazer esta imagem equivocada. Neste período, todos os segmentos sofreram um grande avanço, sendo que a maior beneficiada com este progresso foi a cultura, e a literatura está incluída neste rol, representada pelo amor cortês , que é o elemento mais encontrado nas  obras escritas desta época.  
O  romance de Tristão e Isolda , baseando-se nos fragmentos originais encontrados de Bérould  e Thomas, procurou  manter-se o mais fiel possível a estes originais. Partindo da leitura desta reconstituição, percebemos a forte influência que tal literatura repercutiu na sociedade da época. Transformando seus costumes, principalmente no que diz respeito ao tratamento das mulheres, por parte dos cavaleiros, e dos homens em geral.
A Idade Média, Idade Medieval, Era Medieval ou Medievo foi o período intermédio numa divisão esquemática da História da Europa, convencionada pelos historiadores, em quatro "eras", a saber: a Idade Antiga, a Idade Média, a Idade Moderna e a Idade Contemporânea.
O período da Idade Média foi tradicionalmente delimitado com ênfase em eventos políticos: iniciado com a desintegração do Império Romano do Ocidente, no século V (em 476 d. C.), e terminado com o fim do Império Romano do Oriente, com a Queda de Constantinopla, no século XV (em 1453 d.C.).
A Era Medieval pode também ser subdividida em períodos menores. Em uma classificação mais popular, é separada em dois períodos:
1. Alta Idade Média, que decorre do século V ao X;
2. Baixa Idade Média, que se estende do século XI ao XV.
O romance de Tristão e Isolda – versão escrita por Béroul, na França, no século XII – teve a sua origem na lenda celta do século IX, dos jovens que, de tanto amor, morreram de tanto amar. Novecentos anos depois de ser escrito, este texto ainda encanta críticos literários, historiadores e antropólogos.
Um ponto de relevância no estudo de Tristão e Isolda é a presença de elementos da cultura celta que aparecem em todo o texto, principalmente no que se refere a personagem Isolda, dos cabelos dourados, princesa celta que é dada em casamento ao Rei Marcos da Cornualha e que vive uma intensa paixão com Tristão, sobrinho do rei e melhor cavaleiro do reino.
Inicialmente, a história dos dois jovens era cantada e acompanhada pelo alaúde, gaita de foles, cítola, cornamusa e tamboril. A “balada” de Tristão e Isolda era apresentada por músicos e cantores nas festas das cortes e era também cantada nas feiras e praças dos mercados e, assim todo o povo – dos reis aos mendigos - , ouviam as suas aventuras e desventuras.
Esses cantores além da sua função de entreter os nobres e o povo em geral, eram os responsáveis por difundir a produção artística das oficinas de Leonor d'Aquitânia e de tantos outros reis que patrocinavam as artes como forma de promoverem o seu nome e seu governo.
Os aspectos culturais presentes nas baladas e canções produzidas nessas Oficinas difundiam e, ao mesmo tempo, mantinham vivos muitos elementos de culturas que já estavam totalmente cristianizadas, mas que permaneciam vivos e difundidos na literatura medieval.
Todos esses elementos culturais foram preservados na literatura e são fundamentais para a compreensão do funcionamento de muitas sociedades. No caso específico, da sociedade medieval, onde é ambientada a narrativa de Tristão e Isolda.
Isolda, dos cabelos dourados, é uma princesa que vive nas terras da Irlanda, mais precisamente em Weisefort, leste do país. Ela é filha de reis. Como sua mãe, rainha da Irlanda,  é curandeira, conhecedora das artes da cura, da manipulação de remédios eficazes para todos os males.

1SANTOS, Graziela Skonieczny.Tristão e Isolda - O Amor Cortês. http://www.galeon.com/chronos   
2 COTRIM, Gilberto. História e Consciência do Mundo. vol I. Saraiva. 1994. 
3 Leonor d'Aquitânia, rainha de França foi a patrocinadora de uma das mais fecundas e criativas oficinas literárias da Idade Média Central na França (séculos XI a XIII), onde a lenda dos jovens que tanto amor, morreram de tanto amar, foi escrita com graça e beleza e ganhou fama em todas as cortes da Europa. 4CAMPOS, Luciana de. Uma leitura de Tristão e Isolda à luz da crítica feminina. UNESP. publicado na revista Brathair n. 2, 2001. www.brathair.cjb.net 

1. Apresente um mapa político da Europa ( desenhado ou xerocado) e destaque os seguintes territórios: a) Irlanda, b) Cornualha e  c) Tintagel.

2. Preencha o quadro com o que se pede:
Personagens

Momentos fundamentais

Espaço
Tempo

Elementos mágico-simbólicos

O segredo de amor destina-se a salvar a intimidade dos amantes de intromissões estranhas, assegurar a sobrevivência do sentimento e  protegê-los, inclusive usando, se necessário, da arma da mentira ( mentir e mentira, negar, não dizer a verdade). Esta forma de amor, honra e traição dentro da nobreza possui versões em diversas línguas. No início, a história de Tristão e Isolda não tinha relação alguma com a do Rei Artur. Porém, a partir do século XIII, este conto passa a se confundir com a literatura arturiana.
3. Quem foi Rei Artur? Onde ficava seu reino? Identifique no texto algum momento onde pode ser  encontrado o que o texto acima faz referência.

4. Caracterize os personagens e relacione suas qualidades:
Tristão

Isolda


 5. “Naquele dia, completavam-se os três anos que deveria durar o efeito do filtro que os dois haviam tomado. Era novamente verão e noite de São João. [...] A partir de agora só nós que devemos decidir sobre os rumos de nossas vidas.” (Telma Andrade, p.47) Qual foi a decisão tomada pelo casal?

6. Tristão e Isolda viviam em constantes "provações e emboscadas" e era através delas que o Rei Marcos passou a desconfiar da lealdade dois. O que era o ordálio? Em que momento esta prova aparece no texto?

7. A religião tem lugar de destaque, demonstrando a crença e o misticismo da época. Algumas vezes o cristianismo é mencionado. No texto encontramos três personagens de nome Isolda. São três mulheres de caráter bastante diferentes, mas com o mesmo objetivo: o "amor verdadeiro". Caracterize-as e relacione-as com os aspectos religiosos e místicos.

8. Na sociedade medieval a fidelidade era muito valorizada: os vassalos tinham dedicação absoluta ao seu senhor. Na sua percepção da leitura, Tristão conseguiu ser fiel ao seu Rei?





2 comentários:

Anônimo disse...

Oii!!!

Achei muito bom este texto. A beleza deste texto é de um charmoso e crescente luar da meia noite.

Abraços!


Matheus 6ªC

Anônimo disse...

Achei muito legal o blog sora.


Henrique 5B